quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

Caio F.

2 de Março

Chorar por tudo que se perdeu, por tudo que apenas ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar a ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas tentativas de aproximação. Tenho vergonha de gritar que esta dor é só minha, de pedir que me deixem em paz e só com ela, como um cão com seu osso. A única magia que existe é estarmos vivos e não entendermos nada disso. A única magia que existe é a nossa incompreensão.


Fragmento de Lixo e Purpurina, escrito em 1974, em Londres. Caio Fernando Abreu morreu em 25 de fevereiro de 1996. Revista Almanaque (encartada no jornal Pioneiro de sábado e domingo) do próximo sábado traz matéria especial sobre o escritor.

7 comentários:

Mikage Aya disse...

Ontem, no Estúdio 36, a astróloga Amanda Costa falava sobre a influência dos astros na obra do Caio.
Interessante.

[ah, ele tá entre os meus preferidos]

Mugnolini disse...

o Caio era astrólogo tb.

Mikage Aya disse...

Pois é! Descobri somente ontem.

Clarissa disse...

Eu não entendo muitas coisas.Simplesmente não me convencem. Vivo com linha invisível e agulha na mão, mas percebo, quando menos espero, que tudo já estava tramado.Queria ver mais coragem nesse mundo, coragem nos olhos pra assumir a teia com que o inexplicável envolve a gente.

*espero a volta dos escrivos só teus e especiais para esta casa.

Nádia disse...

Que lindo! Tô com saudade de vocês, beijos

Ju disse...

o meu preferido é o conto os sobreviventes. matéria é tua?

Mugnolini disse...

Leia amanhã no Pioneiro.